Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

COMENDO A AMIGA INCONSIENTE

Conheci essa amiga no ensino médio onde sempre tive certa tara por ela, mas nunca cheguei nela de fato. Ela é pequena, muito simpática e tem uma bundinha redondinha bem gostosa. Enquanto era amigo dela na escola nunca achei que rolaria alguma coisa.rnUns dois anos depois que nos formamos nos encontramos em uma festa organizada por amigos em comum. Foi uma surpresa revê-la naquele lugar onde conversava com poucas pessoas. Logo ela passou ser minha companhia da noite. Em meio às recordações do passado e papos descontraídos sobre a festa ela entornava a caneca. Eu que não bebo fiquei sá na coca.rnrnConversa vai e conversa vem, dançamos a noite toda, tudo que é tipo de musica Uma hora em uma dessas danças, nos abraçamos, nossos olhares se encontraram e começamos a ficar naquele momento. Continuamos ali dançando por um tempo. Sentamos em uma mesa e ficamos abraçados e ela continuava a beber. Lá pelas três da manhã já não se aguentava em pé direito e ria muito de tudo que eu dizia. Como a festa era um sitio alugado para o fim de semana. Perguntei a uns dos organizadores onde poderia coloca-la para dormir, pois ela já não aguentava mais a farra da noite. Peguei uma chave de um quarto com ele e a levei para o quarto. Ela estava com uma calça jeans básica. Uma blusinha branca e sandália de salto alto. Peguei-a no colo e a levei até a cama para se deitar. Fiquei ali com ela conversando e a beijando até que ela pegou no sono.rnrnEu como estava sábrio fiquei ali ao seu lado fazendo carinho em sua cabeça, mas logo me veio uma forte vontade de abusar dela, que estava ali deitada a minha mercê. Comecei a acariciar o seus peitos, que já estavam durinhos, um pouco pelo frio e um pouco de tesão que sentia mesmo dormindo. Ela mexeu e eu parei assustado. Tranquei a porta para que ninguém visse o que estava por vir. Voltei para a cama onde ela estava e desabotoei sua calça. Revelando uma calcinha vermelha e preta muito bonita. Meu corpo já estava sendo tomado pelo tesão de estar quase estuprando uma mulher bêbada. Parei e pensei que aquilo não era certo, mas logo me voltei a seu corpo. Tirei seu sutiã com cuidado para não acordar e percebi que o sono dela era tão pesado que não importava o que fizesse naquele momento ela não acordaria. Isso me despertou ainda mais o meu tesão daquele momento. Puxei sua calça que estava bem apertada e a deixei sá de calcinha ali na minha frente. Comecei a beijar todo seu corpo da boca descendo até a beirada da calcinha e depois voltava novamente subindo e abusava de seu peitinho duro de excitação.rnrnEla começou a se retorcer em cima da cama e eu ficava com mais tesão ainda. Decidi tirar sua calcinha e a visão que tive fez meu pau latejar ainda mais. Uma bucetinha depilada do jeito que eu gosto, sem nenhum pelinho. Cai de boca naquela xaninha sem pensar duas vezes. Ela se contorcia de tesão mesmo apagada pelo álcool que consumira durante a festa até aquele momento. Aquilo me deixava louco, eu abusando de uma pessoa inconsciente e ela se retorcendo de tesão mesmo assim. Fiquei chupando seu grelinho e passando a pontinha da língua na entrada de sua buceta até sentir seu gozo escorrendo em minha boca. Continuei chupando até limpar toda sua bucetinha deliciosa.rnrnTirei a roupa e fiquei ali, masturbando eu e ela ao mesmo tempo. Ela já não dava, mas tanto sinal de que estava gostando então parei. Sentei de frente para ela entre suas pernas puxei ela para cima do meu colo e posicionei meu pau na entrada de sua buceta. Fiquei come medo de machuca-la, pois ela estava dormindo, mas sua buceta estava encharcada de gozo e lubrificação do que tinha feito anteriormente.rnrnFui enfiando meu pau na sua buceta devagar para ela não sentir muita dor e deslizou com facilidade para dentro. Comecei a movimentar meu pau dentro de sua buceta. Ela dava gemidos baixinhos e eu ficando cada vez mais louco com aquilo. Comecei a aumentar a velocidade e fui bombando com mais força. Não demorou muito e lá começou a gritar de tesão. Logo senti meu pau molhado do seu gozo. Continuei bombando forte até que senti vontade de gozar. Tirei meu pau rápido e gozei em sua barriga e no seu capô que estava vermelho de tanto bombar.rnrnLimpei ela e deitei ao seu lado. Acabei pegando no sono. Ao acordar ela já estava acordada me olhando e perguntando o que tinha acontecido. Falei que tivemos uma daquelas noites, ela riu meio sem graça e depois disso começamos a nos encontrar. O que ela não sabe é que a nossa primeira transa foi sem seu consentimentorn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS