Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

EU, VERA E BETO

ola, me chamo Vanessa, e escrevo para dar continuacao de minha histária.

como já expliquei em meus contos anteriores, quando tinha 19 anos comecei a fazer sexo com meu irmao, Edu, 1 ano mais novo que eu. Minha histária com ele comecou com uma brincadeira guiada por uma curiosidade que tive, no final essa curiosidade fez com que eu perdesse minha virgindade com ele. Depois disso continuamos a fazer sexo, sempre faziamos em casa, no quarto dele, quando encontravamos oportunidade. Normalmente nas tardes livres, quando nao tinha ninguém. Nao fazíamos sempre, mas faziamos. As vezs somente ficavamos naquelas brincadeiras que fazíamos no inicio, ele me chupava, eu o chupava, ele gozava, as vezes em cima de mim, outras na minha boca; outras vezes, porém, iámos até o fim, e Edu me penetrava. Com o passo do tempo, isso por um período de uns dois anos, passou a ser mais comúm que ele terminasse dentro de mim. As vezes faziamos umas quatro ou cinco vezes em um sá dia, mas as vezes podiamos passar um mes inteiro sem nos tocar.

Era uma vida diferente para mim, sentia como se eu tivesse duas vidas em separado. No dia a dia minha relacao com Edu era a de sempre, brigavamos, nos ajudavamos, etc, eu tinha minhas amigas, saia, tinha meus namoradinhos, estudava muito, etc; por outro lado, quando eu e Edu nos fechavamos no seu quarto e tiravamos a roupa, era como se tudo fosse diferente, e a entrega de ambas a partes era total, faziamos porque queriamos fazer, nos desejávamos, era quase um vício, uma necessidade, como se por um tipo de magnetismo, todo meu corpo queria estar ali com ele, e com Edu parecia que acontecia o mesmo.

Essa rotina durou uns tres anos, desde meus 19 até quase completar 21 anos. Já me disseram que os que tem signo de escorpiao sao muito criativo na cama, mas creio que no caso de Edu, escorpiano que é, se superava, porque depois de uns dois anos com ele me comendo, era como se ele conhecesse todo meu corpo, sabia o que fazer, como me tocar ... quando me comia o ritmo de suas estocadas era sempre variavel, as vezes com forza, depois de maneira lenta, movia para os lados, tudo isso me deixava maluca com ele em mim. De minha parte era o mesmo, sabia o que ele gostava que fizesse nele, quando o tocava, quando o chupava, como me posicionava quando fazíamos de pé, quando eu ia por cima, etc. Eramos como amantes perfeitos, e as vezes pensava que minha xoxota tinha a forma de seu pinto, de tao bem que se acomodava em mim.

Mas a historia que quero contar nao é essa, e sim outra coisa que passou. Tinha quase 21 anos de idade, e o único homem que tinha conhecido era Edu, e comecei a perguntar-me como seria fazer com outro, enfim, de novo uma curiosidade que abria um novo caminho. Nessaépoca namorava um rapaz a um mes mais ou menos, ele sempre estava insistindo comigo e acabei aceitando ir pra cama com ele. Foi um desastre, nem tinha tirado minha calcinha e o rapaz já estava gozando em cima de mim! Na segunda vez apenas conseguiu me penetrar. Decidi buscar outra pessoa. Pensei em alguém mai velho que eu, nao sabia bem onde encontrar, por isso busquei na internet. Encontrei um sitio com anuncios de casais que buscavam pessoas, comecei a pensar e ler os anuncios, e entendi talvez essa fosse uma boa opcao. Escrevi para alguns casais, e dois me responderam. Nos falamos por telefone e marquei uma entrevista com cada casal, para conhecer-los e decidir algo, porque nao sabia se realmente iria fazer isso que achava uma loucura. Enfim, segui adiante. A primeira entrevista foi com um casal bem jovem, eram namorados, ele tinha uns 25 e ela 23, mas era estranho, porque enquanto ele praticamente me comia com os olhos, se podia ver claramente que ela estava contrariada, isso nao me deu seguranca, me chamaram para ir a um motel e nao aceitei. O segundo casal eram mais velhos, uns 40 anos, e aconteceu algo parecido, e nao aceitei. Praticamente já tinha desistido desse plano quando recebi uma mensagem desse sitio, era uma mulher dizendo que estava interessada em me conhecer. Dei meu telefone pra ela prometendo para mim mesma que seria a ultima tentativa, ela me chamou, se chamva Vera, conversamos brevemente e marcamos um encontro num café, na av. paulista.

Esse encontro foi totalmente diferente dos anteriores. Logo que cheguei ao local haviam várias pessoas, e nao sabia quem devia encontrar, reparei numa mulher sentada sozinha num canto, muito bonita, mas dei mais atencao para outras mesas, em busca de casais, e haviam casai ali. Me senti um pouco confusa, já ia buscar uma mesa para me sentar quando senti alguém tocar meu ombro, me virei e era aquela mulher que mencionei:

"ola, sou Vera, vc deve ser Vanessa, é certo?" Respondi que sim, confusa, Vera sorriu para mim, e me chamou para que sentassemos em sua mesa. Vera era um pouco mais alta que eu, cabelos negros e largos, meio encaracolados, pele branca e olhos muito especiais, tinha 30 anos de idade. Vestia uma camisa azul, com um colar branco, um vestido e saltos altos, perto dela, me sentia uma hippie, com minha camiseta, saia e sandálias (rss). Assim que nos sentamos ela me explicou que preferiu ir sozinha para poder conversar melhor comigo, porque queria conhecer-me. Explicou que estava casada a cinco anos e que ela e seu marido buscavam uma "companheira", achei curiosa essa proposta, pensei que seria sá sexo, enfim. Vera calava com fluidez, suas palavras eram bem artiuladas, se via muito inteligente, todo o tempo tinha um sorriso tao belo em seu rosto, e era tao bonita, que na medida que a conversa prosseguia sentia como se ela me seduzisse, nunca tinha sentido atracao por uma mulher, mas ela parecia ser alguém bem especial. Passamos umas duas horas conversando sobre nás mesmas, e nao falamos de sexo em nenhum momento. Depois disso fomos embora, e eu tinha a certeza de que ela nao mais iria me buscar, mas estava equivocada.

Dois dias depois ela me chamou novamente por telefone e me convidou para almocar num restaurante, aceitei. No inicio de novo estava sozinha, mas depois de uma meia hora chegou seu marido, Roberto. Creio que já estava tao acostumada com ela, que a mera presenca de seu marido me pos nervosa. Roberto era muito alto, devia ter como uns 1.9 m, magro, vestia terno e gravata, devia ter uns 40 anos. Assim que fui apresentada, foi estranho, ele me olhou nao como quem ve um trozo de carne, vi ternura em seus olhos, me abracou e em seguida nos sentamos. No inicio eu estava muito nervosa, e me dei conta que Roberto tbm parecia nervoso, mas como nao o conhecia nao dei importancia para isso, foi Vera que com toda sua simpatia foi nos acomodando e nos ajudando a nos sentir bem, por suposto que o vinho nos ajudou muito. Depois foi como se fossemos velhos amigos, falamos de filmes, contávamos piadas, assuntos ligeiros e sem importancia, ríamos muito, passamos como umas tres horas ali, depois nos despedimos, se ofereceram para me levar em casa mas preferi tomar um taxi.

Esse almoco foi numa quinta feira, no sabado Vera me chama para saber se queria ir ao teatro com eles, aceitei. Nesse dia jantamos juntos e passamos muito bem, depois me levaram pra casa. Na quarta seguinte fui com Vera ao cinema, e de noite jantei na casa deles, depois me levaram pra casa. Assim foi por quase um mes, saiamos quase todos os fins de semana, íamos a lugares diferentes, de minha parte me sentia atraida tanto por Vera como por Roberto, que tinha a idade para ser meu pai. Até que um dia o que já era esperado aconteceu.

Foi num sabado, tínhamos ido ao teatro e depois me convidaram para jantar em sua casa, sempre aceitava seus convites. Chegamos em sua casa umas dez da noite, prepararam uma pasta deliciosa, bebemos vinnho, uma e depois outra garrafa. Deviam ser uma da manha quando terminamos de comer, eles sempre me tratavam muito bem e om muito respeito, nunca nessa convivencia que tinha com eles me senti desrespeitada por eles. Depois que terminamos de comer eu e Vera fomos pra sala, enquanto Beto abria outra garrafa de vinho. Eu e ela nos sentamos no sofá, uma ao lado a outra e ela comezou a me contar coisas ... intimas ... deles (rss), nesse momento senti que tinha chegado o momento, e isso me excitava, mas nao tinha a menor ideia de como ia ser, e penso que Vera e Beto tampouco, porque eles nao tinham experiencia nisso. Vera comezou a me contar que ela e seu marido as vezes gravavam suas transas, e inventavam histárias que contextualizavam o sexo que faziam, era como um fetiche. Nesse momento chegou Roberto com o vinho e enquanto nos servia, Vera, para colocar-lo ao tanto de nossa conversa, lhe perguntou se sabia onde eles tinham guardado aqueles filmes que tinham gravado. Roberto respondeu com toda naturalidade onde estavam, e Vera com toda informalidade desse mundo me perguntou se eu nao queria assitir algum deles. Lhes expliquei que era algo íntimo deles, mas se eles deixassem eu queria ver algum desses "filmes". Ao instante Vera se colocou de pé e foi direto onde estavam esses filmes, selecionou um deles e colocou no video, e enquanto comezava ela foi explicando o que se passava. Me senti um pouco nervosa por isso, nao sei porque. No filme apareceu primeiro Roberto de terno e gravata, sentado na mesa de um escritário que eles tem em sua casa, e que eu já conhecia, simulando que trabalhava (porque movia e lia papeis). Depois apareceu Vera, usando um vestido justo, e os dois comezaram a conversar simulando uma entrevista de emprego. Enquanto rolava o filme continuamos conversando e mudamos de assunto, mas o filme continuava na tela. Houve um momento que olhei para a tele e vi Vera completamente nua, nao pude deixaar de por atencao, o corpo dela era lindo, seus seios eram pequenos, como pessegos, e tinha uma bunda ... que digo ... perfeita, senti agua em minha boca, era realmente linda. Vera evidentemente se deu conta de minha reacao, comentei que o corpo dela era lindo, me agradeceu com um sorriso. Tentavamos nos concentrar em outros assuntos enquanto passava o filme, e as vezes interrompíamos a conversa para ver o filme, era uma situacao muito excitante conversar com eles e ao mesmo tempo ver-los nus trepando no filme. Durante esses momentos Vera uma e outra vez tocava meu corpo enquanto conversavamos, ora punha a mao em minha perna, ora em meu ombro, e as vezes me beijava na bochecha, dizendo "linda!!", por alguma coisa que dizia. Houve um momento que paramos de conversar e os tres se fixaram nas imagens na televisao, e vi Vera de quatro com Beto socando com muita nela, ainda que o som estava bem baixo se pode ouvir os gemidos dela. De novo elogiei seu corpo, que realmente era lindo, dessa vez, ao invés de agradecer, Vera respondeu: "e será que sou sá eu que sou bonita, e vc!! o que tem por ahi debaixo de sua roupa?" Com esse comentário ela arrancou um sorriso de mim, nao disse nada, nada mais fiquei olhando pra ela ... e sei que meu olhar é muito expressivo, depois de uns segundos perguntei pra ela:

"já beijou uma mulher?" Ela moveu a cabeca dizendo que nao, e depois continuei:

"Nao quer provar?" Creio que nao terminei de fazer a pergunta e os lábios de Vera já estavam tocando meus lábios, e com desejo, nos beijamos. Foi um beijo intenso, sua lingua percorria minha lingua movendo-se como quem indica um caminho, foi o beijo mais envolvente que senti em toda minha vida. Senti como suas maos percorriam meu corpo, acariciando minhas coxas, meus seios, meu rosto, meu pescozo, e eu de minha parte respondia a mesma altura, acariciando todas as partes de seu corpo que podia alcanzar. Nesse momento até esqueci que Roberto estava na sala. Nao sei bem como acontecia, nao a vi desabotoar a camisa que eu vestia, nada mais vi que estava aberta, nao vi quano ela tirou meu sitia, nada mais vi os olhos de Vera brilhando, e dizendo-me "como vc é linda Vanessa", e logo em seguida sua lingua percorria meu peito, meus seios, fazendo me torcer toda para ela. Nao me recordo como foi que ela me livrou de minha calza, mas me recordo bem dos gemidos que ela arrancou de mim quando sua lingua alcanzou minha virilia. Vera me lambia inteira, desceu do sofá se ajoelhou de frente para mim, e comezou a tirar minha calccinha, olhei para o lado e nao vi a Roberto na sala. Me torci inteira quando a lingua dela tocou meus grandes lábios, depois disso já nao me recordo bem, ela me chupou de uma maneira que nao pensei ser possivel nesse mundo, e era a primeira vez dela. Em algum momento vi a Roberto regressar e extender um lenzol no chao da sala, tentei entender o que fazia mas a lingua de Vera em mim nao me permitia estar num estado de consciencia racional, ainda nao sei se foram dois orgasmos ou um único que se prolongou por vários minutos. Me sentia descomposta, minhha respiracao ainda era ofegante quando ela finalmente me deu um tempo, ergui meu corpo e a beijei novamente, queria fazer o mesmo por ela. Depois que nos beijamos, ela segurou minha cabeca, olhou para mim e me chamou como se me visse fora de mim mesma ... "que?" perguntei ainda com respiracao ofegante, e ela me perguntou, tao linda que é: "posso chamar meu marido?", respondi: "pode, chama ele". Nás duas, eu nua e Vera sá de calza, simplesmente olhamos juntas para Beto que estava sentado nesse momento no outro sofá, pude ver o enorme volume debaixo de sua calza. Ele se levantou e foi desabrochando seu cinto, Vera de joelhos se aproximou dele e terminou de tirar sua roupa de baixo deixando-o sá de camisa, vi seu pinto por primeiro vez, era menor que de Edu, mas parecia mais grosso. Vera o engoliu de uma vez e nada mais fiquei sentada no sofa vendo como sua cabeza se movia para frente e para trás enquanto o chupava. Nao sabia o que fazer. Como nao recebi nenhuma instrucao, desci finalmente do sofa e de joelhos fui me colocano por trás de Vera e comecei a desabotoar sua calza, nesse momento Vera se afastou de Beto, se virou para mim, e me deu um beijo maravilhoso. Depois disso ela se afastou para terminar de tirar sua calza, enquanto isso nada mais vi seu marido de pé com seu pinto quase apontando para mim, me aproximei e o chupei por primeira vez. Nesse momento pude ver que de verdade seu pinto era um pouco menor que de Edu, mas definitivamente era mais grosso. Enquanto o chupava e me esforzava para meter-lo inteiro em minha boca, senti as maos de Vera acariciarem meus seios, seus lábios tocarem meu pescozo, e seus seios em minhas costas. Lentamente desceu uma de suas maos até meu sexo, e comezou a acariciar meu clitáris com dois dedos, isso me fez sentir contracoes, era dificil me concentrar, tirei o pinto de Beto de minha boca para respirar melhor, e nisso Vera se curvou sobre mim até alcanzar o pinto de seu marido e comezou a chupar-lo enquanto aqueles dedinhos em mim me deixavam louca. Me apoiava com minhas maos nas coxas de Beto, e comecei a chupar seu saco, ouvi um "ahhhh" dele. Estava feliz, por suposto. Vera me deu espaco e pude tomar-lo novamente em minha boca e voltei a chupar-lo. Enquato isso, ainda de trás de mim, Vera segurava com forza um de meus seios acariciando-os, e com a outra mao masageava meu clitáris de uma maneira que nao conhecia. O orgasmo veio sem aviso, foi como uma flecha: rápido e preciso. Me livrei do pinto de Beto para poder respirar e Vera me empurrou para frente para poder alcanzar-lo com sua boca, e comezou a chupar-lo novamente. Foi Beto quem tomou a inciativa, saiu de minha frente e foi para o outro lado, ainda mem recuperava do segundo ou terceiro orgasmo que Vera arrancou de mim, quando me virei e vi a Vera de quatro com Beto metendo nela com muita forza, se ouvia aquele "pa pa pa pa" a cada estocada que ele dava nela, e Vera gemia como louca. De novo fiquei sem saber o que fazer. Foi estranho para mim, sabia que ele ia me comer em algum momento, mas sentia medo, como da primeira vez com Edu, mas ao mesmo tempo queria que ele fizesse em mim, tudo era igual, como um dejavou. Beto finalmente meteu fundo em Vera e segurou dentro dela por uns segundos, depois tirou seu pinto e olhou para mim, eu nada mais me detei e ele veio por cima de mim, logo em seguida me penetrou por primeira vez. Ele colocou bem devagar, Vera se ajoelhou ao meu lado e me chupava inteira enquanto seu marido me comia. Beto me segurava pelas minhas coxas erguidas enquanto socava seu pinto em mim, e nisso sentia a lingua de Vera percorrer cada centimetro de meu corpo. Beto metia em mim com forza, se via um desejo contio nele de fazer o que ele naequele momento fazia em mim, e eu estava adorando isso. Vera finalmente subiu em cima de mim, colocando-se de quatro, me beijou de lingua, senti o pinto de Beto desaparecer de mim, e logo em seguida entendi perfeitamente que Beto novamente metia em sua esposa, porque pude sentir a respiracao ofegante de Vera em minha boca, depois em meu pescozo. Em seguida Beto se afastou, e pediu que invertessemos as posicoes, Vera me olhou com um sorriso, já sabia: seu marido me queria de quatro para ele. Obedecemos. Vera saiu de cima de mim e prontamente me coloquei de quatro para ele, e logo em seguida senti ele me penetrar por segunda vez, meteu de uma sá vez, arrancando de mim um grito. Segurou firme dentro de mim por uns segundos, e depois comezou a deslizar para dentro e para fora, devagar, uma e outra vez, mexia delicioso. Vera foi se metendo por debaixo de mim como uma gatinha, mas colocou sua cabeza na direcao de Beto. Nada mais via sua buceta aparcer bem na minha frente. Senti Beto desaparecer de mim, nada mais imaginei que Vera o chupava, com isso pude me concentrar nela, e a chupei por primeira vez, foi delicioso ver Vera se torcer para mim. Mas isso durou pouco tempo, porque seu marido logo em seguida me penetrou de novo, e ahi já nao pude pensar em nada. Senti um dedo de Vera tocar meu clitáris, e a combinacao do pintao de seu marido em mim mais seu dedinho me fez explodir num orgasmo, lento e gradual, foi incrivel. Ainda me recuperava quando vi a Beto aparecer naminha frente, nada maiss meteu seu pinto na minha boca, eu o aceitei e o chupei, depois se posicionou para penetrar a Vera, ainda debaixo de mim, me afastei e senti sua lingua em mim, ainda estava muito sensível, quase gozei de novo. Pude ver como o pinto de Beto entrava e saia dela, e podia sentir sua respiracao ofegante em minha virilia. Beto ficou alternando com seu pinto uma e outra vez entre minha boca e a buceta de Vera, era delicioso sentir o gosto dela em seu pinto. Finalmente Beto anunciou que ia gozar, tirou de dentro de Vera e tomei seu pinto e o coloquei em minha boca, e recebi os jatos de porra, uma e outra vez, Beto gemia como um louco, e quase engasguei. Nao engoli, deixei que escorresse pelos cantos de minha boca, deixando o ventre de Vera empapado. Depois que ele terminou, se afastou deixando-se cair a um lado. Eu estava exausta. me deitei ao lado de Vera. Ela se levantou e com um rosto que parecia ser iluminado, limpou com os dedos a porra de deu marido que ainda escorria dos cantos de minha boca. Depois disso me beijou deliciosamente .. "Linda" me dizia uma e outra vez. Eu estava exausta. Dormimos ali mesmo.

Minha relacao com Vera e Roberto durou quase um ano. Eesse periodo foi estranho pra mim. Em minha casa meu sexo com Edu era cada dia mais intenso, enquanto Beto e Vera me comiam como loucos em sua casa. Fui reprovada em tres materias, nao podia concentrar minhas energias em meu trabalho, o sexo era tudo. Eduardo nunca soube de Vera, nem ela de Edu, foi como se vivesse tres vidas em separado.

Meu e-mail é eclipse_ki@hotmail.com me escrevam se querem falar comigo, responderei a todos os e-mails.





VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS