Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

DIVIDINDO A ESPOSA NO ACAMPAMENTO

Eu e minha esposa viajamos para um lugar para acampamento. Essas coisas de aventureiro. Era um lugar ao ar livre. Curtimos bastante esse negácio de verde, lago, cachoeira, camping. Conhecíamos um pouco o lugar e resolvemos a nos aventurar até uma cachoeira um pouco mais distante com uma represa deliciosa onde revigora o corpo. Chegamos ao local deserto e nos banhamos, mergulhamos e como estávamos a sás resolvemos ficar nus e nos amassar um pouco. Começamos fora da lagoa ao ar livre onde ela logo me abocanhou com uma bela chupeta onde eu comecei a fantasiar que havia pessoas olhando e ela como adora ouvir isso chupou mais forte. Eu então com muito tesão coloquei-a de 4 em uma pedra e em pé com as pernas dentro dÂ’água comecei a bombá-la dizendo que havia pessoas nos filmando. Ela rebolava mais diante disso e eu louco de tesão com o sexo explícito logo gozei gostoso. Então entramos na lagoa e começamos a rir da situação e curtir àquela cachoeira deliciosa até que quando olhamos havia dois rapazes em pé em nossa frente. Gelamos e então perguntamos o que queriam. Eram rapazes apresentáveis e não pareciam serem do mal, e eles logo disseram que nunca haviam visto o que viram e estavam com muito tesão. Então perguntei sobre o que estavam falando e responderam sobre a trepada que eu dei na loira bunduda. Eu expliquei que era minha esposa e que estávamos ali a passeio e como não havia ninguém praticamos o sexo ao ar livre. Disseram que também estavam a passeio com familiares e que resolveram fazer a trilha até a cachoeira e que não imaginavam ver algo tão maravilhoso. Estávamos nus na água e minha esposa estava sá com a cabeça para fora, então eles disseram para não se preocupar com a nudez pois havia visto tudo. Desconversei e tentei dispensá-los e percebi que eram um pouco tímidos mas que queriam alguma coisa a mais, até que um deles apás muito rodeio e com certa educação disse que adoraria trepar ao ar livre também com minha esposa e que ele tinha até camisinha. Neguei, ábvio e eles então pegaram nossas roupas e começara a ir embora. Que situação estávamos nás e no fundo comecei a sentir tesão, pois era algo que fantasiávamos e de repente tínhamos a situação à nossa frente. Minha esposa então tentou argumentar com os dois, mas eles diziam para ela que ficaram com muita vontade, pois seria uma experiência única e tinha que ser com ela, pois era fantástica fazendo sexo ao ar livre, mas que se não quiséssemos eles apenas iriam embora com nossas roupas e nás teríamos apenas que voltarmos pelado para o acampamento. Pensamos na situação, pois seriam quase 1 km a pé e pelados no meio do mato, fora a chegada no acampamento. Com certeza cruzaríamos várias pessoas. Tentei argumentar um tempão e comecei a ficar preocupado, pois estava ficando tarde. Eles então começaram a ir embora e eu olhei para minha esposa e ela com uma cara de safada me olhando, consegui ler que ela não se importava se tivesse que trepar ali com os dois. Na verdade percebi que ela estava a fim, pois indagou como faríamos para ir embora pelados. Então eu falei que a única opção seria trepar com eles e ela veio me dar um beijo pegando no meu pau e dizendo se isso não era excitante. Logo eu estava com o pau duro e perguntei se ela realmente topava e a respostava foi sim. Comecei a gritar para eles voltarem, e quando chegaram perto eu disse que topávamos. Nossa, pude ver o pau deles crescer nas bermudas. Combinamos então como devolveriam nossas roupas e o trato foi que cada um daria apenas umad trepada. Eles aceitaram, mas queriam tudo, inclusive chupeta. Não havia mais o que fazer além de deixar rolar. Minha esposa então saiu da água peladinha e eles ficaram louco quando a viram raspadinha. Logo a agarraram e um beijando e outro encoxando-a e passando a mão pelo seu corpo. Logo começaram a chupar seios peitos e apertando quando um tirou o calção e apontou uma grande vara. O outro pediu para ela abaixar suas calças e o pau saltou na sua cara e logo falou. Vai putinha, chupa que hoje vou te devorar. Ela então começou a chupar as duas bengas e me olhando. Eu estava me punhetando e olhando. Os dois queriam comê-la logo, então um logo a virou de quatro. Percebi que era meio inexperiente colocando a camisinha. Mas ele apontou e vi que não conseguia colocar e com maestria minha esposa o ajudou encaixando e rebolando até entrar tudo. O rapaz pirou e começou a bombar com força enquanto ela rebolava. Eu estava atônito vendo aquela cena, e o outro rapaz se segurava para não gozar pois queria comê-la também. Então percebi o que estava comendo-a logo gozou. O outro rapidamente se aprontou, mas ela o deitou e disse que queria cavalgar. Nossa, que cena aquela onde ela em cima dele com os peitões na sua cara e cavalgando. Ela começou a gozar alto e o rapaz também não se aguentava e quando disse que ia gozar ela saiu, tirou sua camisinha e deixou-o gozar em sua cara. Eu então sai da água e disse que era minha vez. Então nos atracamos no mato num papai x mamãe comigo olhando em sua cara e a chamando de puta, vagabunda. Ela adorou quando gozei em seus peitos e os chupei em seguida. Então nos banhamos, pegamos nossas roupas e saímos. Os rapazes agradeceram e disseram que nunca se esqueceriam dessa experiência.



Me escrevam



ramongonzales62@yahoo.com.br

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS