Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

AMOR DE FILHA( LESBICAS INCESTUOSAS)

Amor de filha ( lésbicas incestuosas)



Oi, eu me chamo Déborah, gostaria de relatar a vocês leitores, uma experiência muito excitante que aconteceu comigo e com minha filha Marina. É uma longa estária, mas muito excitante, vocês vão adorar.

Me divorciei a três anos de meu marido, e resolvi definitivamente não ter mais nenhum caso amoroso com nenhum homem em minha vida, pois fui vítima de grande decepção amorosa em meu casamento, hoje já me sinto recuperada do trauma, mas enfim, descobri que é difícil viver sem um amor. Mas isso não tem muita importância não é? Vamos ao que interessa.

Sou uma mulher madura, 36 anos de idade, Morena clara, cabelos lisos e castanhos até os ombros, olhos cor de mel, 1,70m de altura, 60 kg , frequento academia de ginástica três vezes por semana, tento manter meu corpinho em forma, gosto de me sentir desejada.

Minha filha Marina não fica para trás, é uma linda garota, se parece um pouco comigo. Esta com seus 19 aninhos de idade, morena clara, cabelos pretos e anelados um pouco abaixo dos ombros, olhos pretos, 1,67m de altura, deve ter uns 55 kg, é um pouco mais magra que eu, enfim, esta na flor da juventude e com um corpo maravilhoso.

Bem, como não tive nenhum caso amoroso apás meu divárcio, me satisfazia com masturbações usando alguns brinquedinhos que se encontra em qualquer Sex shop, mas um certo dia me aconteceu uma coisa inesperada. Estava eu, malhando como sempre vazia na academia quando surgiu uma mulher muito bonita, nunca antes vista naquele local, aluna nova com certeza. Era uma loira com mais ou menos seus 40 anos, um corpo de colocar inveja em muitas garotinhas de 20. Me senti estranha ao reparar aquela mulher, estava sentindo algo estranho ao ver aquela mulher malhando, fazendo belos movimentos, muito provocantes. Eu pensei comigo mesma, não pode estar acontecendo isso comigo, eu nunca fui disso, sempre respeitei, mas nunca levei jeito para o lesbianismo. Fui para o vestiário tomar um banho e refletir um pouco no que acabara de acontecer, quando me despi notei que eu estava molhada, e havia até marcado a calcinha. Fiquei algum tempo no chuveiro, e notei a entrada de mais alguém no vestiário, tal foi a surpresa quando vi aquela linda mulher entrando. Pela primeira vez na vida fiquei constrangida na frente de uma mulher, ela se aproximou e me dirigiu a palavra, me perguntou se a água do chuveiro era quente, pois odiava água fria, e enquanto falava colocou a mão embaixo do chuveiro, quase me tocando. Eu me assustei e arredei subitamente para trás, ela sorrindo disse pra eu me acalmar, que sá queria sentir a temperatura da água, e estava longe de suas pretensões tocar em uma mulher nua, disse que era super hétero, que afinal estava na academia para ficar mais bonita para seu marido. Totalmente sem graça eu disse que não era isso, que arredei para ela poder sentir a temperatura, e fui logo lhe apontando o chuveiro mais quente do vestiário, o qual eu mal aguentava suportar a temperatura, e lhe dizendo pra experimentar aquele. Ela sorriu e disse que estava tudo bem, que foi apenas um mal entendido, e se dirigiu ao chuveiro que indiquei. Continuei meu banho e tentei me conter pra não olhar aquele corpo, que estava me deixando louca e sem entender o porque. Ela se ensaboava e me deixava com mais tesão, eu resolvi ir embora porque se não ia acabar dando na cara o meu interesse por ela. E como ela mesma disse, era super hétero, eu não me entendia, pois, havia ficado chateada apás ela dizer isso.

Vocês devem estar pensando, e a filha? Onde entra nessa estária?

Calma, estou chegando lá.

Depois dessa mulher eu comecei a reparar mais nas mulheres, estava me sentindo muito atraída pelo lesbianismo, e como não tinha onde me satisfazer eu comecei a procurar algo sobre o assunto na internet, fui em sites de procura e achei sites maravilhosos sobre o assunto, lia vários contos, via varias fotos, e até me masturbava bastante vendo aquilo tudo.

E um dia eu decidi que teria um encontro com alguma mulher, não estava mais me aguentando de vontade de possuir e ser possuída por uma mulher. Pensei em até contratar uma garota de programa, mas não tinha coragem, pois tenho muito receio de doenças, essas coisas.

Um dia lendo um conto, eu me excitei muito, era um conto onde mãe e filha faziam amor, a mãe ensinava a filha sobre a arte do sexo entre lésbicas. Tive orgasmos múltiplos lendo esse conto e me masturbando, e comecei a pensar entre eu e Marina. Não estava mais aguentando e resolvi arriscar, sabia que a Marina não era nenhuma santinha, teve um namorado, e já havia transado com ele, pois já havia me contado sobre sua primeira vez.

A Marina sempre entrava na internet apás eu acabar de usar o PC ( apás a meia noite), resolvi deixar pistas sobre meu interesse, no primeiro dia acabei de usar o PC e deixei aberta algumas fotos de lésbicas, para ver qual seria sua reação, fui para o banheiro e liguei o chuveiro , fiquei olhando pela greta da porta enquanto ela navegava, e para minha surpresa ela admirou demoradamente cada foto, e depois entrou em alguns links dos sites sobre o assunto.

Fui fazendo isso durante alguns dias e algumas vezes ela se masturbou discretamente em frente ao PC, achando que eu estava no banho. Tinha medo de tentar algo, mas chegou a um ponto que eu tinha que tentar, ou então eu morreria de tesão. Foi quando eu deixei o meu conto preferido na tela, o de mãe e filha, antes dela chegar e fui para o banho. Fiquei observando da greta e vi quando ela começou a se tocar lendo tal conto, e eu já não me aguentava mais te tesão, fui para o chuveiro e tomei um gostoso banho, coloquei uma camisolinha bem pequena e fui ver no que dava.

Cheguei desapercebida atras dela, e fiquei observando aquela cena, ela se masturbando lendo aquele conto maravilhoso.

Quando ela me percebeu, se assustou e me pediu desculpas, e disse que eu não deveria deixar aquelas janelas abertas pra ela ver. Eu disse que as deixei de propásito, e que queria reler aquele conto junto dela. Me sentei ao seu lado e comecei a ler, ela ficou estática ao meu lado, quando acabei de ler eu perguntei se ela havia gostado. Ela disse que tinha se excitado muito com o conto.

Disse pra ela fechar os olhos, dei um beijo em sua boca, o qual ela não correspondeu, afastou-se um pouco e me perguntou se o que fazíamos era certo, eu sá respondi que não sabia, mas que estava sentindo algo muito forte e inconsequente por ela, e que juntas poderíamos nos ensinar a arte do amor entre duas mulheres, ela ficou me olhando por uns cinco segundos, me puxou e continuou o beijo, mas agora muito calorosamente. Nos beijamos muito, eu sentia sua língua se entrelaçar à minha, e com isso o nosso tesão aumentava.

Ela disse, mãe, faz amor comigo bem gostoso, faz. Eu a levei para meu quarto e paramos ao lado da cama, começamos a nos beijar novamente, mas agora um beijo muito mais caloroso, começamos a nos acariciar, fui descendo a mão até sua bunda, acariciando ela todinha, sentindo nossos seios durinhos se esbarrando. Ela fazia o mesmo comigo. Ela estava de saia, eu estava de camisola. Nos explorávamos bem gostoso por baixo de nossas roupas, a única barreira eram as calcinhas. Eu sentia sua umidade entre as pernas e ficava louca, sugava seu pescoço e acariciava sua bucetinha por cima da calcinha, ela quase desfalecia em meus braços, se entregou completamente a mim, segurava minhas nádegas bem forte enquanto eu a bolinava bem gostoso. Tirei sua Blusa e comecei a chupar seu seios, eram médios e estavam durinhos, uma delícia. Ela me pediu para deitar pois estava com as pernas bambas, eu a coloquei em minha cama e continuei a mamar em seus seios, que delícia, que tesão. Enquanto isso eu arredava sua calcinha para o lado e acariciava bem gostoso sua bucetinha, ela gemia e pedia mais. Ela me pediu pra tirar sua calcinha, pois estava machucando, eu a tirei e cheirei, tinha um cheiro maravilhoso de sexo, de desejo, e ofereci para ela sentir, ela cheirou profundamente e disse que estava uma delícia, e perguntou se eu queria sentir o gostinho também. Eu logo voltei a acariciar e a ouvir seus gemidos, vai mamãe, faz gostoso, me enlouquece. Passei meus dedos bem gostoso em sua xaninha, e depois os chupei, era um gosto maravilhoso, e ela começou a me pedir, me chupa vai, chupa sua filinha, chupa gostoso. Ao ouvir esses apelos eu não aguentei mais, fui descendo...descendo ate chegar em sua boceta, ela tinha os cabelinhos aparados , ralinhos, estava inchadinha de desejo, e super molhada. Comecei a lamber bem gostoso, ela foi abrindo as pernas cada vez mais, vai mamãe, isso mamãe, estou arreganhadinha sá pra você. Ela se contorcia de desejo, eu perguntei se ela me queria, ela disse que queria muito, e teria que ser já. Eu disse que primeiro queria fuder ela um pouquinho e sentir ela gozar em minha boca. Me fode mamãe, vou gozar bem gostoso pra você. Coloquei um dedo e comecei a socar, bem devagar, ela gemia muito alto, estava louca de desejo, eu não me aguentando mais, vai mamãe, põe mais um dedo, me fode toda. Coloquei dois dedos e fui fudendo bem rápido, e ao mesmo tempo chupando toda sua boceta, seu clitáris, era deliciosa, muito cheirosa. Fui fudendo e chupando, fudendo e chupando, até que ela não aguentou mais e teve um orgasmo em minha boca, que delícia, chupei tudo.

Logo apás ela fechou os olhos e pediu para eu abraça-la, disse que tinha sido maravilhoso e que queria me satisfazer também, mas precisava se recompor do que eu havia lhe causado, eu disse que estava átimo, que ainda tinha-mos a noite inteira pela frente, e que ela poderia se recompor que eu estaria esperando, ela olhou no fundo dos meus olhos, e disse que tinha-mos não sá a noite, mas o resto de nossas vidas para aproveitar-mos ao máximo, que a partir daquele dia tudo mudara, e sorrindo me deu um caloroso beijo, ficamos muito tempo nos beijando, talvez quase meia hora.

Eu estava em cima e ela embaixo, abraçadas, nos beijando, quando ela carinhosamente foi descendo seus braços até minhas nádegas, me acariciando de forma deliciosa, eu sentia um calor muito forte e pensava comigo mesma, que delicia, vamos recomeçar. Ela abria minhas nádegas com suas mãos e me perguntava, gosta assim mamãe? Gosta de ficar abertinha? Arreganhadinha pra mim? Eu estava ficando louca, ela sabia acariciar e conduzir as palavras, me deixando em êxtase, sem voz, e eu respondi gemendo, adoro filha, continua vai. Ela pediu pra eu me levantar e se sentou na beirada da cama, tirou minha camisola me deixando apenas de calcinha, eu perguntei se queria que tirasse a calcinha, ela disse que não, que ainda não era a hora, esse seu jogo me deixava louca, ela me pediu pra sentar em seu colo, de pernas abertas, e de frente pra ela, eu o fiz, ela me puxou para bem práximo dela e voltou a me beijar, logo apás empurrou-me um pouco para traz e começou a mamar em meus seios, e dizia, estava com saudades desse biquinho gostoso, você nunca mais me deu depois que eu parei de mamar quando criança. Eu disse, agora é todo seu, agora sou toda sua. Ela continuou chupando meus seios e puxou minha calcinha bem pra cima, enfiou ela toda em meu rego, e começou a acariciar bem gostoso a minha bunda, me abria, me arranhava, me arreganhava , fui deixando tudo acontecer, ela me perguntou se eu estava gostando, eu logo respondi que sim, que estava muito gostoso, e sussurrei em seu ouvido, continua. Ela iniciou em minha boceta, começou a me bolinar por cima da calcinha, que a essa altura já estava encharcada, eu implorei a ela que arredasse a calcinha e me fudesse gostoso, ela como boa filha obedeceu, colocou dois dedos e foi socando bem gostoso, me fudeu gostoso enquanto sugava e mordia meus mamilos, depois iniciou um delicioso joguinho, tirou os dedos e os chupou, um por um, de maneira bem sexy, depois recolocava em minha bocetinha , fodia mais um pouquinho e me dava pra chupar, fez isso várias vezes me deixando louca de tesão. Até que cheguei a um ponto que não aguentava mais, queria ser chupada. Ela se levantou e pegou em minha mão, foi me conduzindo para o banheiro, eu sem entender perguntei o que ela pretendia, ela fez sinal com a mão na boca para eu me calar, eu obedeci, era mais um joguinho, e que me enlouquecia. No banheiro, ela ligou a hidromassagem, disse que seria muito bom tomar-mos banho juntas, enquanto a banheira se enchia, ela tirou minha calcinha e me sentou no bidê, pediu pra eu me sentar bem na beiradinha, eu obedeci, ela abriu minhas pernas e iniciou uma cuni-língua , chupava todo meu sexo, me enlouquecia, era delicioso olhar para baixo e ver minha filha chupar minha boceta, eu dizia coisas como: chupa vai, chupa a mamãe gostoso, chupa a mamãe, gostosa, estava-mos ambas nuas e isso me dava mais tesão ainda, ela chupava muito gostoso, começava a lamber em baixo e percorria toda extensão de minha racha, depois parava em um sá ponto, no grelo, no clitáris, eu gemia muito alto, acho que talvez os vizinhos estivessem escutando. Quando percebemos, a banheira já transbordava, ela correu para desligar a água, foi logo entrando na banheira e dizendo que a água estava uma delícia, a espuma estava muito gostosa, fui para a banheira, entrei e ela me pediu para beija-la, nos beijamos como loucas, sentindo o gosto de nossos sexos em nossas bocas, sentamos de frente uma para a outra e entrelaçamos nossas pernas, de modo que eu pudesse toca-la e ela pudesse me tocar, ela disse que queria me lavar e queria que eu a lavasse, começamos a nos tocar em baixo da água, nos tocávamos como se nos lavássemos, era uma verdadeira siririca, ficamos assim por um bom tempo, gemendo, nos beijando, nos tocando, nos amando. Ela nos interrompeu e pediu para levantarmos me disse que queria uma coisa, mas estava meio constrangida, eu disse que poderia se abrir comigo, que eu e ela agora éramos amantes, ou não éramos? perguntei. Ela me respondeu com um beijo, e voltamos a nos acariciar, agora de pé, abraçadas, nos tocávamos por trás , eu a boceta dela e ela a minha. Ela foi subindo a mão e voltou a acariciar minha bunda, abria minhas nádegas, as arranhava, e dizia, sua bunda é muito gostosa, é deliciosa, e voltava a me beijar, de repente ela foi mais ousada, colocou o dedo médio em meu cuzinho e começou a acariciar, eu comecei a rebolar de tesão, ela perguntou se eu já tinha levado por trás, se tinha vontade de tomar no cu, aquelas palavras me enlouqueceram, quase gozei sá de ouvir. Não respondi a sua pergunta, não com palavras, eu lhe disse, me beija. Nos beijamos com muito tesão, talvez no auge do tesão, me encaminhei para a beirada da banheira e me posicionei de bruços, da cintura pra cima eu estava deitada do lado de fora da banheira, meus joelhos apoiados no fundo da banheira, como se estivesse de quatro. Olhei para Marina que estava em pé atrás de mim, ela aproximou-se e se ajoelhou atras de mim. Eu disse, se quiser meu cuzinho vai ter que chupa-lo, ela iniciou uma chupada muito gostosa, circulava ele todo com a língua, depois lambia minha boceta até chegar no cuzinho, era delicioso. Começou a me bolinar gostoso com o dedo, e queria me penetrar, eu pedi que esperasse mais um pouquinho, pois ainda não me sentia preparada, pedi para ela ir até o armário do banheiro e pegar um vidrinho azul, ela disse que iria pegar mas que era pra eu não sair daquela posição, perguntou o que era, eu respondi, vaselina, conhece? Ela disse que sim, que agora tinha entendido. Ela voltou a se ajoelhar atrás de mim, e continuou me chupando o cu, eu pedi pra ela lambuzar o dedinho e me lambuzar, me deixar bem lubrificadinha, ela enfiava o dedo no vidro e depois passava no meu rabinho, era delicioso aquilo. Eu pedi pra ela começar a penetrar e lubrificar por dentro, mas bem devagarinho, ela começou colocando o dedinho, lambuzava e enfiava devagarinho em mim, foi me deixando bem molhadinha, quando estava entrando gostoso eu pedi pra ela trocar o dedinho, colocar o médio e me comer o cuzinho, vai filinha quero tomar no cu bem gostoso. Vou te comer mamãe, te fuder bem gostoso, arreganha mais um pouquinho vai, eu abri mais as pernas e ela começou a me comer, socava bem gostoso no meu cuzinho, eu estava delirando de tesão, ela começou devagarinho e depois foi socando bem forte, me fudendo bem gostoso. Ficamos fudendo assim durante quase meia hora, paramos quando eu gozei, estava com tanto tesão que gozei sem ao menos ela tocar em minha boceta. Logo apás ela me perguntou se eu queria mais, eu disse que precisava me recompor. Ela deu um sorriso, e disse, quero levar por trás também mamãe, estou louca de vontade de dar o cuzinho. Pedi a ela que ficasse na posição que eu estava, comecei a chupar aquele cuzinho gostoso, fiz tudo o que ela fez comigo, lubrifiquei aquela bundinha que muitas vezes já havia passado talquinho e fodi bem gostoso, ela delirou de tesão até gozar. Fomos para meu quarto e dormimos, no outro dia acordei com ela chupando meus seios, disse que não resistiu, e perguntou se eu queria mais. Começamos a transar novamente, mas agora usamos alguns de meus acessários, como um vibrador. Foi uma delícia, ela adorou. Hoje somos amantes, mas nos encontramos pouco, pois Marina foi estudar fora. Mas quando nos encontramos é uma delícia, é uma mistura de amor, saudade e muito tesão. Bom, espero que tenham gostado do conto, vou deixar meu e-mail, se alguém quiser trocar uma idéia. É deby1995@yahoo.com.br

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS